quinta-feira, 22 de outubro de 2009

M eia luz

Metade


vou ficar aqui , só pra ver ela chegar com seu brilhante olho água marinha,
essa é rainha ainda menina, com uma forma divina de viver e enxergar
quando ela chega, encosta a bolsa e pega um copo, faz um drink como eu gosto e me fita com um olhar .
os seus segredos , sei de todos os seus medos, eu esquento seus desejos, mas ela não pode acreditar.
Mas eu vou beijá-la , sim eu vou.
Eu vou beijar a sua boca bela, e lhe mostrar uma aquarela na linguagem mais singela, minha metade , meia luz , a luz de vela .
cultuo lembranças que ainda são futuras , e que trarão mitos e curas ,pra meia luz, a outra luz ,a minha luz , a luz que é dela.
A noite é fria e cheia de magia acolhe um tolo e lhe da estadia , mas pode lhe tirar a solidão sem lhe dar a companhia .
e assim ela se vai , pra encontrar o dia , me deixando com a noite, um luto na alma e uma garrafa vazia

Um comentário:

  1. Que bom que anda escrevendo...fico feliz. Gosto dos textos
    Bjao Caião

    ResponderExcluir